TRES


Sinopse

“Se nos acostumamos a comunicar mais coisas a mais pessoas ao mesmo tempo, por que querem nos convencer de que é impossível amar várias pessoas ao mesmo tempo? – perguntaram-se, certa madrugada, várias horas depois da meia-noite, enquanto esperavam o amanhecer numa janela…”- Três, de Melissa P.

Depois de 100 Escovadas Antes de Ir Para a Cama, ousado e bem-sucedido relato autobiográfico sobre a descoberta do sexo, a autora italiana Melissa Panarello retorna à polêmica em seu novo romance com a história do amor heterodoxo de Gunther, Larissa e George, para quem a busca da felicidade no amor e na cama não passa pelos caminhos óbvios.

Três é a consagração de um triângulo amoroso. Ambientado entre Itália, na França e Argentina, a escritora apresenta uma novela erótica em que a experiência do prazer a três é retratado como um caminho possível para a realização, sem tabu, do desejo.

A autora, no entanto, tem consciência do conservadorismo dos países latinos – e, em especial, o da sociedade italiana – em relação a experiências erótico-sentimentais pouco convencionais. É precisamente por isso que suas histórias picantes têm um papel libertador que a tornam ainda mais amada entre seu público jovem – sem importar sua origem cultural.

Mulheres em cantos e versos


Museu de Arte Popular promove no próximo dia 14 de setembro (quarta-feira) às 19h no Centro Cultural dos Correios Teia de Cordéis – Diálogos IV… a mulher, o gênero e o feminino

A literatura brasileira, seja na esfera denominada “erudita” ou “popular”, fora marcada, ao longo dos anos, pelo traço patriarcal de sua sociedade. O monopólio masculino construíra representações sobre o gênero feminino que ora denegriam sua imagem, ora vetavam seu acesso ao consumo e produção literária.

Uma boa conversa com a pesquisadora Ângela Grillo (História/UFRPE) e as cordelistas Susana Morais e Mariane Bígio sobre a trajetória feminina na Literatura de Cordel nacional e suas técnicas para driblar o machismo e a (in)visibilidade social, antecipando a 5º Primavera dos Museus, sob o tema Mulheres, Museus e Memórias.

Contatos: 81. 3355.3110

Versinho que fiz


Me livro do peso de uma vida sufocada e vazia Arranco de mim uma culpa sem fim. Quero a paz da liberdade, quero a liberdade da brisa, a suavidade de uma nova vida.

Quero acordar! Quero sorrir sem medo, abraçar sem receio, quero voltar a amar..

CURTASSOMBRAÇÃO


CURTASSOMBRAÇÃO

Exibição de vídeos | Bate-papo | apresentação teatral

Nas áreas campestres ou nas grandes capitais, as lendas e assombrações sempre encontraram espaço nas ruas. Tradicionalmente contadas e recontadas pela oralidade, essas histórias encontram eco no medo e no suspense, transformando-se em fenômenos que aterrorizam e assombram comunidades, pautados pela maneira que a população traduz e se apropria, muitas vezes, de informações veiculadas pela mídia, convertendo-as em personagens, símbolos, teatralidades e locais que reverberam no imaginário popular.

Nos dias 24, 25 e 26 de Agosto, o Museu de Arte Popular, equipamento da Fundação de Cultura Cidade do Recife, promoverá o CURTASSOMBRAÇÃO, mostra e vídeos, bate-papo e apresentação teatral com as assombrações e boatos medonhos como carro-chefe.

Com curadoria do jornalista Roberto Beltrão, autor dos livros Histórias Medonhas d’O Recife Assombrado e Estranhos Mistérios d’O Recife Assombrado, além de ser responsável pelo famoso site Assomblog, fechamos uma programação com início às 18 horas (nos 03 dias), no Teatro Hermilo Borba Filho.

A entrada é gratuita.

Dia 24 /08/2011 | Início às 18 horas

“Perna Cabiluda”

Bate-papo com Rúbia Lóssio e Roberto Beltrão

“Cumade Fulozinha”

Dia 25/08/2011 | Início às 18 horas

“A Emparedada da Rua Nova”

Bate-papo com Menelau Júnior e Roberto Beltrão

“Loira do Banheiro”

Dia 26/08/2011 | Início às 18 horas

Encontro assombrado (ou À procura da Botija) – peça teatral

Curtas

Coisas do Além e do Recife Também

Teia de Cordéis no Museu de Arte Popular do Recife


Diálogos III… Cangaço: representações na Literatura de Cordel

O cangaço sempre foi um tema recorrente na Literatura de Cordel Brasileira. Transitando entre a ficção e a realidade, muitos cordelistas afiaram a língua e a ponta do lápis para contar, recontar, recriar e fantasiar a vida e os feitos de cangaceiros como o Lampião, Antônio Silvino, Corisco, Jararaca e inúmeros outros. E, assim, esses personagens, mais uma vez, ganham força no imaginário popular nordestino.

Para a terceira edição da série Diálogos…, o Museu de Arte Popular, equipamento da Fundação de Cultura Cidade do Recife, convida para uma conversa sobre as representações do cangaço na Literatura de Cordel no próximo dia 23 de agosto, no Teatro Barreto Júnior.

Nesse diálogo, estarão conosco os pesquisadores Geovanni Cabral (História/UFPE) e Rômulo Oliveira (História/UFPE).

Museu de Arte Popular
Pátio de São Pedro | casa 49
São José | Recife | PE
50020-220
Fone: +55 (81) 3355.4720

CURTASSOMBRAÇÃO


Mostra de vídeos sobre assombrações pernambucanas

CHAMADA PARA INSCRIÇÕES
Sejam nas áreas campestres, nas grandes capitais, as lendas e assombrações sempre encontraram espaço nas ruas e no imaginário da população. Tradicionalmente contadas e recontadas pela oralidade, essas histórias encontram eco no medo e no suspense das pessoas.
Nos dias 24, 25 e 26 de agosto, o Museu de Arte Popular, equipamento da Fundação de Cultura Cidade do Recife, promoverá a exibição de produções audiovisuais de ficção ou documentário que tenham como temas as histórias de assombração típicas de Pernambuco.
Em parceria com o MAP, teremos a curadoria do jornalista Roberto Beltrão, autor de publicações que trabalham a temática.
Os interessados devem seguir as especificações abaixo:

REGULAMENTO

1. Produções audiovisuais de ficção ou documentário que tenham como tema as histórias de assombração típicas de Pernambuco;
2. Não haverá limite de duração (curta, média ou longa metragem);
3. Serão aceitas peças realizadas em qualquer formato audiovisual – animação, película, vídeo, vídeo digital. Mas todos os trabalhos deveram ser entregues em formato DVD;
4. A escolha das produções a serem exibidas ficará a cargo da comissão organizadora da mostra , seguindo os critérios: originalidade, conteúdo, qualidade artística e qualidade técnica;
5. As peças deveram ser entregues no período de 08 a 19 de agosto, no Museu de Arte Popular (MAP), localizado no Pátio de São Pedro – Casa 49, juntamente com o formulário preenchido. Fomulário disponível em http://www.4shared.com/document/uxk4UoTG/Formulrio_de_Inscrio_CURTASSOM.html

Instruções:
a. Clique em “Baixar Agora”;
b. Aguarde o término da contagem regressiva;
c. Clique em “Baixar o Arquivo Agora”.

7. Não haverá nenhum custo de inscrição;
8. Não haverá nenhuma premiação remunerada;

OUTRAS INFORMAÇÕES

+55 81. 3355-3110
museudeartepopular@hotmail.com
pesquisamap@hotmail.com
Pátio de São Pedro | casa 49
São José | Recife | PE
50020-220

Táxi Cultural terá roteiros no Festival de Inverno de Garanhuns – FIG (PE)


De 18 a 22 de julho a cidade de um dos mais importantes festivais de inverno do Brasil vai ganhar um táxi diferente. Serão cinco corridas, sem taxímetro, que irão levar os curiosos do Festival de Inverno de Garanhuns – FIG para conhecer sítios, fazendas e comunidades que produzem cultura na cidade. O ponto do Táxi Cultural será no Hotel Tavares Correia (Av. Rui Barbosa 296, Heliópolis – Garanhuns – PE), e as saídas estão marcadas para às 9h.

Será uma corrida por dia, com roteiros que não se repetem, para pontos culturais da cidade que irão receber os passageiros do táxi e apresentar a sua história e sua arte. “É mais uma opção para as pessoas que estiverem no festival conhecerem a cultura da região”, diz o produtor cultural e coordenador do Táxi Cultural, Mauro Lira.

O custo será de R$ 25,00 por pessoa.

Confira abaixo o roteiro completo do Táxi Cultural:

• Dia 18- segunda –feira
Comunidade quilombola do CASTAINHO-

• Dia 19- Terça- feira
Sitio ESTRELA / Fazenda BOI DA MACUCA

• Dia 20- Quarta- feira
Quilombo TIMBÓ

• Dia 21- Quinta Feira
Sitio TIGRE

• Dia 22- Sexta Feira
Sitio ESTIVAS

Mais informações e reservas: 81- 85227662 / 998244030- Mauro Lira

Fonte:http://www.iteia.org.br/