Carnaval 2011 no Recife


O Carnaval já começou no Recife e para aquecer o clima de festa a Semana Pré vem cheia de atrações, ensaios abertos, desfiles de agremiações e muito, muito frevo por todo a cidade. Até março os moradores e turistas poderão conferir atrações culturais e convidados especiais nos principais polos da cidade POLO RECIFE MULTICULTURAL – Marco Zero, POLO DAS FANTASIAS – Praça do Arsenal, POLO DE TODOS RITMOS – Pátio de São Pedro.
Além dos palcos oficiais os foliões podem curtir os dias de Momo também nas comunidades cerca de 34 Polos Comunitários e 08 Corredores da Folião, vão garantir a festa nas Regiões político-administrativa do Recife, as RPA’s.

Imagem site da PCR

A decoração da festa esse ano buscou inspiração na obra da artista plástica Tereza da Costa Rêgo (homenageada desse carnaval juntamente com o Maestro Duda), Criado pelo escritório do arquiteto Carlos Augusto Lira: “O folião vai se deparar com uma cenografia deslumbrante, muito colorida, com figuras que representam o Carnaval espalhados pela Cidade, com as formas sensuais e os bichos, trazidos das obras de Tereza. Foi um grande desafio, mas um processo feliz”

Abaixo confira a programação completa da Semana Pré do Carnaval do Recife.
PRÉ+CARNA..(1)

Saiba mais sobre os homenageados do Carnaval 2011 no Recife…

MAESTRO DUDA

José Ursicino da Silva, o Maestro Duda, nasceu em Goiana interior de Pernambuco, em 23 de dezembro de 1935. Aos oito anos, começou a estudar música. Aos dez, já era integrante da banda Saboeira e logo escrevia sua primeira composição, o frevo Furacão, primeiro passo para se tornar um dos maiores regentes, compositores, arranjadores e instrumentistas de frevo da história.

Em 1950, aos 15 anos de idade, começou a integrar a Jazz Band Acadêmica e a Orquestra Paraguari. Tocou Oboé na Orquestra de Recife, mas seu múltiplo talento o levou a experimentar de tudo. Formou várias bandas de frevo que invariavelmente eram eleitas nos carnavais como as melhores do ano.

Em 1953, foi classificado em segundo lugar no Festival de Música Carnavalesca promovido pela Câmara Municipal do Recife, com o maracatu Homenagem à Princesa Isabel. Neste período, já era regente e arranjador da Orquestra Paraguari. Ainda em 1953, assumiu o departamento de música da TV Jornal do Comércio. Em 1960, realizou cursos de regência e de música sacra na Escola de Artes da Universidade Federal de Pernambuco. Em 1961, musicou a peça Um americano no Recife, dirigida por Graça Melo.

Musicou também trabalhos dirigidos por Lúcio Mauro e Wilson Valença. Em 1962, começou a integrar a Orquestra Sinfônica do Recife, executando oboé e corne-inglês. Em 1963, criou uma orquestra de bailes. Em 1967, assinou contrato com a TV Bandeirantes de São Paulo, após já ter sido chefe do departamento de música da TV Jornal do Commercio.

Em 1970, voltou para o Recife, tornando a integrar a Orquestra Sinfônica e passando a atuar como professor-arranjador do Conservatório Pernambucano de Música. Em 1971, obteve o primeiro lugar no Festival do Frevo promovido pela Rede Tupi com o frevo de rua Quinho. No mesmo ano, organizou uma orquestra para bailes carnavalescos, que recebeu por diversos anos o prêmio de melhor orquestra do ano. Em 1975, gravou disco em homenagem ao Jornal Diário Pernambucano, pela gravadora Rozemblit.

Teve frevos gravados pela Orquestra de Severino Araújo, assim como sambas gravados, entre outros, por Jamelão. Em 1980, foi escolhido como arranjador do Festival MPB-Shell, promovido pela Rede Globo. Em 1982, sua composição Suíte nordestina foi escolhida para abrir as festividades da Semana da Pátria, sendo transmitida pela TVE para todo o Brasil. Em 1985, sua orquestra representou o Brasil na Feira das Nações em Miami, na Flórida (Estados Unidos).

Em 1988, executou a obra Música para metais número 2, com a participação do trompetista americano da Orquestra Sinfônica de Boston, Charles Schlueter, em comemoração aos 138 anos do Teatro Santa Isabel, em Recife. Teve músicas gravadas no exterior, estando presente em mais de 100 discos. Foi eleito por diversas vezes o melhor arranjador do Nordeste.

É regente-arranjador e instrumentista da Orquestra Paraibana de Música Popular. Sua mais famosa obra é a peça sinfônica Fantasia carnavalesca, gravada pela Orquestra Sinfônica do Recife e Coral Ernani Braga. Vem alcançando destaque internacional com a direção musical da ópera Catirina, baseada em autos populares do bumba-meu-boi maranhense. Foi escolhido pelo Projeto Memória Brasileira, da Secretaria de Cultura de São Paulo, como um dos 12 melhores arranjadores do século. Em 1997, o Projeto Memória Brasileira lançou o CD Arranjadores, com seu arranjo para Bachianas nº5, de Heitor Villa-Lobos, tocado pela Banda Savana, homenageando-o ao lado de outros grandes arranjadores brasileiros como Maestro Cipó, Moacir Santos, Cyro Pereira, José Roberto Branco e Nelson Ayres. Em 1999, lançou com orquestra, o CD Coleção de Frevos de Rua, que contou com quatro volumes.

Em 2007, teve o frevo Nino, o pernambuquinho relançado pela Spok Frevo Orquestra no CD Passo de anjo ao vivo gravado ao vivo no Teatro Santa Isabel, na cidade de Recife. Em 2008, recebeu homenagem do Ministério da Cultura, por meio da secretaria da Identidade e da Diversidade Cultural (SID/MinC) e da Representação Regional Nordeste (RR/NE MinC), no Conservatório Pernambucano de Música. O evento encerrou oficialmente a edição 2007 do Prêmio Culturas Populares, que levou o nome do Meaestro e também homenageou o Centenário do Frevo.

Em 2009, apresentou-se com sua orquestra no carnaval de Recife, na Praça do Marco Zero. No mesmo ano, foi homenageado pela troça carnavalesca Turma da Jaqueira Segurando o Talo e pela Mostra de Música de Olinda.

Obras:

Cidadão frevo
Estação do frevo
Fantasia carnavalesca
Furacão
Homenagem à Princesa Isabel
Marcela
Nino, o pernambuquinho
Quinho
Suíte nordestina para banda e orquestra
Suíte pernambucana de bolso

Discografia:

(1999) Maestro Duda e Orquestra de frevo – Coleção de frevos de rua vol.1 • CD
(1999) Maestro Duda e Orquestra de frevo – Coleção de frevos de rua vol.2 • CD
(1999) Maestro Duda e Orquestra de frevo – Coleção de frevos de rua vol. 3 • CD
(1999) Maestro Duda e Orquestra de frevo – Coleção de frevos de rua vol. 4 • CD
(1997) Arranjadores • Projeto Memória Brasileira • CD

TEREZA DA COSTA RÊGO

Filha de uma família tradicional da aristocracia rural pernambucana, Tereza teve uma educação bastante rígida. No entanto, através da arte expressava seus sentimentos, começando a pintar quando criança, ingressando na Escola de Belas Artes com apenas 15 anos. Durante 14 anos, foi casada e teve duas filhas: Maria Tereza e Laura Francisca. Ao longo deste período, dedicou-se quase que exclusivamente à pintura o que fez com que fosse contemplada com três prêmios do Museu do Estado e outro da Sociedade de Arte Moderna. Em 1962, realizou a primeira grande exposição, na Editora Nacional.

No mesmo ano, Tereza envolveu-se com Diógenes Arruda, dirigente do Partido Comunista, que a levou a sair da cidade. Em São Paulo, por motivos políticos, viveu na clandestinidade até 1969, quando seu companheiro foi preso. Aproveitou o tempo fora de Recife para se dedicar à arte e aos estudos, formando-se em história na USP. Depois de formada, passou a dar aulas de História para vestibulandos e a trabalhar como paisagista em um escritório de planejamento.

Em 1972, quando Arruda foi libertado, o casal seguiu exilado para o Chile. Entretanto, não tardou a chegada do Golpe, que obrigou Diógenes, novamente, a se mudar. Tereza e seu companheiro foram para Paris, onde passaram seis anos. Meso afastada das filhas, dos irmãos, a artista em momento algum parou de pintar. Expôs seus quadros, assinando com o nome de Joanna. Fez doutorado em História, na Escola de Altos Estudos da Sorbone, na França, escolhendo a história do proletariado brasileiro como tema para sua tese.

Ao voltar para o Brasil, em 1979, Tereza ainda enfrentou a morte Diógenes. Com todos os acontecimentos em seu retorno ao Brasil, ela resolveu resgatar sua vida, firmando-se como artista plástica de destaque em Pernambuco. Fez mestrado em História na UFPE e começou a trabalhar na Prefeitura de Olinda. Foi diretora do Museu Regional e, por 12 anos, do Museu do Estado de Pernambuco. São Paulo, Rio de Janeiro, Lisboa, Paris, Cuba entre outras cidades foram cenário para as exposições da artista que escolheu o Museu do Estado de Pernambuco como local para comemorar seus 80 anos de vida e arte.

Considerada hoje uma das maiores muralistas e pintoras brasileiras, Tereza Costa Rêgo abriu recentemente um novo ateliê, em Olinda. No local, o público tem acesso a algumas de suas obras.

Exposições Individuais

Pintura, Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, 1981
Pintura, Galeria Carmita Brito, Recife, 1985
Exposição Individual de Pintura e Lançamento de Álbum de Gravuras, Palácio dos Governadores, Olinda, 1984
Pintura, Atelier do Artista, Olinda, 1985
Olinda Gravuras, Vila do Conde, Portugal, 1985
Pintura e Álbum de Gravura, Oficina Guaianases de Gravura, Olinda, 1988
Pintura, Galeria Officina, Recife, 1988
Pintura, Atelier do Artista, 1990
Pintura, Recife-Olinda/Olinda-Recife, Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, 1992
Gravura, Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, 1992
Atelier do Artista, 40 Anos de Arte, Olinda, 1997
Museu de Arte Moderna, 7 Luas de Sangue, Recife, 2000
Espaço Cultural Correios, 7 Luas de Sangue, Rio de Janeiro, 2001
Museu de Arte P P, 7 luas de Sangue, São Paulo, 2002

Exposições Coletivas

Coletiva de Artistas Brasileiros, Galeria Vila Rica, Recife, 1980
Salão de Artes Plásticas de Pernambuco, Museu do Estado de Pernambuco, Recife, 1981
Coletiva de Artistas Brasileiros, Galeria Vila Rica, Recife, 1981
Pintura e Poesia – Geração 65, Oficina 154 – Edições Piratas, Olinda, 1981
1º Salão de Arte Erótica de Pernambuco, Vivencial Diversiones, Olinda, 1982
Coletiva de Artistas Brasileiros, Avivarte, Olinda, 1983
Exposição Mulher Dez Artistas Pernambucanas, Shopping Recife, 1984
As Novas Imagens do Nordeste Rio Design Center, Rio de Janeiro, 1984
Exposição Comemorativa dos 450 anos de Olinda, Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, 1985
Artistas Olindenses, Museu de Arte Contemporânea de Pernambuco, Olinda, 1985
Mostra de Arte do Recife, Teatro Santa Isabel, Recife, 1985
Coletiva Guaianases, Oficina Guaianases de Gravura, Olinda, 1985, 1986, 1987 e 1988
Galeria Oficina, Recife, 1986, 1987 e 1988Pintores Brasileiros, Portugal, 1987
Cor de Pernambuco, Ranulpho Galeria de Arte, São Paulo, 1989
O Gato Pintado, Ranulpho Galeria de Arte, São Paulo, 1989
O Gato na Pintura, Ranulpho Galeria de Arte, São Paulo, 1989
Seis Pintores de Olinda, Vila do Conde, Portugal, 1990
O Circo, Galeria Ranulpho, Recife, 1990
Fernando de Noronha, Eco 92, 3 Visões MAC
Viagem ao ano 2000, Passaporte Para O Futuro, São Paulo, 1994
A Batalha dos Guararapes, Museu do Estado, 1994
Cumplicidades, Lisboa, 1995
Olhar Sobre Os Trópicos, Lisboa, 1995
Arte Brasileira, UNESCO, Paris, 1995
Arte Brasileira, Estúdio A, São Paulo, 1997
Artistas Pernambucanos, Cuba, Santiago de Cuba, 1997
Artistas Pernambucanos, Portugal, 2003

Anúncios

2 Respostas para “Carnaval 2011 no Recife

  1. adorei a reportagem,e aposto q vou tirar um dez no trabalho de artes

  2. Olá Glaucia,
    Conheci Tereza em época de exílio em Paris, ela vivia com o Diogenes Arruda, fundador do PCdoB. Gostaria imensamente de ter seu e-mail, por acaso você me consegue?
    Abraços,
    Alegria e sorte na vida para você.
    Visitem : http://www.saitica.blogspot.com
    Daniel/Reginaldo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s