Diálogos… 2011 no Museu de Arte Popular do Recife


Com o objetivo de fortalecer e aprofundar os conhecimentos sobre a arte popular brasileira, através da pesquisa, mapeamento e divulgação, o Museu de Arte Popular (MAP), em 2010, lançou o projeto Diálogos…, permeado por discussões pautadas no universo da mostra Caminhos do santo, com a religiosidade popular como enredo.

Neste ano, o MAP iniciará uma nova jornada, dessa vez explorando o universo da Literatura de Cordel, em consonância com o projeto Teia de Cordéis, versando sobre a produção de cordel portuguesa e brasileira.

Teia de Cordéis | Diálogos I… Tecendo os fios dessa teia será o tema do primeiro encontro e buscará entrelaçar a trajetória de vida de poetas e colecionadores com a própria história da Literatura de Cordel brasileira. Os convidados são a colecionadora e co-curadora da Teia de Cordéis, Maria Alice Amorim, e os cordelistas Mauro Machado e Meca Moreno.

Para a abertura haverá a encenação teatral do cordel “As mais de 100 mortes de Filotéia” (ou A História do Fim do Morre-não-morre de uma Hipocondríaca) de Mauro Machado, direção de Paulo André Viana e participação da atriz Jerlâne Silva.

Sobre os facilitadores da conversa:

Maria Alice Amorim | Natural de Juazeiro, Bahia, cresceu em Petrolina, Pernambuco. Vive no Recife, onde exerce o jornalismo especializado em reportagens culturais, colaborando em revistas e suplementos, e realizando conferências. Dedica especial atenção à poesia popular, à arte figurativa e aos folguedos populares. Da fusão desses temas surgiu o livro Carnaval – cortejos e improvisos (2002), em co-autoria com o pesquisador Roberto Benjamin. Publicou, em 2003, ensaio sobre arte popular na obra Pernambuco: cinco décadas de arte. É autora do ensaio Improviso: tradição poética da oralidade, que integra o livro Literatura e Música, co-edição do Itaú Cultural e editora Senac. Com pesquisa sobre as poéticas tradicionais do Nordeste brasileiro, defendeu dissertação de mestrado em Comunicação e Semiótica (PUC-SP) – “No visgo do improviso ou A peleja virtual entre cibercultura e tradição” –, que saiu em 2009 pela Educ (PUC-SP).

Mauro Machado | Nascido em Brasília – DF a 21 de dezembro de 1982. Reside no Recife desde 1990. É neto do poeta paraibano Mauro Ananias da Costa, de quem herdou o gosto pelos versos. É autor dos folhetos: “O Pife Encantado” (set. 2004); As Mais de 100 Mortes de Filotéia (set.2007), O Exemplo do Ladrão de Galinha que Findou Botando um Ovo (fev. 2007); O Matuto no Shopping (maio 2002); Exemplo do Padre Pedófilo Capado pelo Diabo (jan. 2003); O Duelo Cibernético de José Honório e Mauro Machado (abr. 2005). Mauro é membro-fundador da União dos Cordelistas de Pernambuco – UNICORDEL.

Meca Moreno | Estudioso da poesia popular, poeta, compositor, artesão e produtor cultural. Pernambucano de Palmares, escreve poesia desde os 12 anos de idade; tem participado de várias antologias poéticas, além de ter poemas e artigos publicados em revistas e jornais diversos, é autor de vários cordéis e tem dois livros publicados: UNIVERSOS e GIRAMUNDO – O Espectador do Fim & Gêneros da Poesia Popular, o primeiro em co-autoria com o poeta Alfredo Moraes, numa edição independente. O segundo foi lançado pelas Edições Bagaço na V Bienal Internacional do Livro de Pernambuco, em outubro de 2005.
É membro da União dos Cordelistas de Pernambuco – UNICORDEL, coordenador do Movimento Cultural Companhia do Cordel, membro do Movimento Poetas Del Mundo. É também um dos organizadores das antologias “Poetas do Pajeú”, “Antologia do cordel de Pernambuco” e “Antologia da Poesia Urbana de Pernambuco”, todos para a Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco – FUNDARPE.

Paulo Viana | Ator, Encenador, Arte-educador, Produtor Cultural, Contador de Histórias. Já encenou peças como “Morte e vida Severina”, de João Cabral de Melo Neto sob a direção de Jader Austragésilo e “Viúva, porém honesta!”, de Nelson Rodrigues com a direção de Rubem Rocha Filho. Dirigiu o “Assombrações do Recife Velho” da obra de Gilberto Freyre, na Fundação Gilberto Freyre. Realizou a oficina de contação de histórias “Vamos Contar Histórias” no projeto “A Incrível Viagem de Contar Histórias” com patrocínio do programa BNB Cultural 2010 em parceria com o SESC Pernambuco para professores do ensino fundamental nos centros educacionais SESC LER de São Lourenço da Mata, Surubim, Belo Jardim, Buíque, Bodocó e Araripina em 2010, entre outros diversos trabalhos.

Jerlâne Silva | Atriz e estudante de Letras. Possui formação em arte-educação, dança popular e teatro para crianças. Atuou em diversos espetáculos no 13º, 14º e 15º Janeiro de Grandes espetáculos em Recife. Foi assistente de produção na 5ª Mostra Brasileira de Dança, nos 60 Anos de Atividade de Claudionor Germano e na homenagem CAPIBA – Madeira que o Cupim Não Rói em 2007.

Realização | Museu de Arte Popular – MAP | Prefeitura do Recife

Apoio | Centro Apolo-Hermilo

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s